Manchetes

Segurança: Guarda Municipal de Criciúma continua sem armas

Guarda Municipal continua sem armas
As recentes ameaças que a Guarda Municipal (GM) de Criciúma vem sofrendo não são motivos para cogitar a possibilidade de conceder porte de arma de fogo aos guardas, segundo o presidente da Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma (ASTC), Giuliano Elias Colossi.
“A atuação da Guarda Municipal é preventiva, e não ostensiva. A função deles, nesse caso, era proteger um patrimônio. A partir do momento em que há o conflito, torna-se uma questão de Segurança Pública, e aí é com a Polícia Militar”, explica Colossi.
“Os nossos guardas não foram preparados para utilizar armas de fogo. Seria necessário um curso de uns seis meses para isso”, contabiliza. O presidente da ASTC é claro ao afirmar que equipar os guardas municipais com arma de fogo está fora de discussão.
Represálias contra os guardas municipais, especialmente nos bairros mais violentos de Criciúma, têm se tornado comum nos últimos dias. Na madrugada desta quarta-feira, um homem efetuou disparos de revólver no posto de saúde do Bairro Boa Vista, que estava sendo protegido pela GM.

Informações mais detalhadas estarão na matéria produzida pela jornalista Talise Freitas, que será publicada no jornal A Tribuna desta quinta-feira.

Sobre a Guarda Civil

A Guarda Civil Municipal de Mossoró conta com 278 profissionais, treinados e capacitados para resguardar a segurança do cidadão mossoroense.  Sempre com a preocupação de mostrarmos para a população que somos uma Guarda Cidadã e que estamos nas ruas para lutarmos por um mundo mais justo, desde a proteção dos bens patrimoniais, até a segurança do cidadão.  Conte conosco. Ligue 153




Nuvens de Tags